aquário ornamental - por marina milos


Busca no site:


cartinha menu



DOENÇAS DE PEIXES ORNAMENTAIS


bolão de futebol Torricos Existem várias doenças conhecidas e tratáveis de peixes ornamentais. Com o tempo, o hobbysta vai adquirindo experiência para diagnosticá-las e tratá-las. Mas mesmo o mais experiente criador pode ficar na dúvida sobre os sintomas e o melhor tratamento. É fundamental estar certo sobre o diagnóstico antes de iniciar qualquer tratamento, pois, caso contrário, a cura pode ser mais prejudicial que a doença.

Existem doenças, como o íctio, que podem ser combatidas apenas alterando algumas condições da água do aquário, sem o uso de medicamentos. Existem outras que necessitam de antibióticos e um aquário hospital para administração dos mesmos. Muitas doenças, aliás, a grande maioria delas, se manifesta quando as condições da água do aquário começam a ficar inaceitáveis para os habitantes. Por isso, entre as coisas que eu aconselho para a farmácia do aquarista estão diversos itens voltados apenas para a manutenção e melhora das condições da água.

Itens da Farmácia:

É claro que a aquisição de todos estes itens vai depender das condições financeiras do aquarista, mas por serem mais em conta, eu aconselho a aquisição pelo menos dos itens 1, 3, 4 e 5.

Eu vou partir minha descrição de doenças, começando da mais comum, e chegando nas mais raras.

É muito importante ter em mente que devido ao fato de que muitas doenças estão relacionadas à má qualidade da água, a troca parcial de água, com água tratada, é sempre recomendada como umas das primeiras coisas a serem feitas na iminência de qualquer doença. De forma que antes do início de qualquer tratamento, eu considero que o aquarista já fez uma troca de pelo menos 20% da água do aquário. No caso da administração de medicamentos, deve-se retirar o carvão ativado do filtro, caso existente, para que este não remova de imediato os elementos da medicação.

ÍCTIO

Sintomas: inicialmente o peixe começa a se esfregar no cascalho, em pedras, ou nas folhas de plantas do aquário, como que se conçando. Depois começam a aparecer pontos brancos espalhados pelo corpo do peixe, que vão aumentando em número e tamanho; sua aparência é de pequenos cogumelos. A doença é bem contagiosa, mortal, mas de fácil tratamento.
Tratamento: Parasiticida na dosagem recomendada no rótulo, aplicado no próprio aquário principal.

VERME ÂNCORA

Sintomas: normalmente o verme aparece fixado na nadadeira dorsal do peixe, como se uma flexa o tivesse atravessado. O verme tem aproximadamente uns 6 mm de comprimento por 1 mm de diâmetro.
Tratamento: remover o verme. Para isso pode ser usada uma pinça, ou outro instrumento equivalente. Para mim, o mais fácil é separar um pano limpo e sem resíduos químicos para segurar o peixe, umidecer o pano na água do aquário, e segurar o peixe deixando apenas a área infectada exposta; remover o verme rapidamente com a pinça, pingar merthiolate no local (para evitar infecções) e devolver o peixe no aquário.

VELUDO

Sintomas: o peixe começa a se esfregar (coçar) em objetos no aquário, rapidamente uma fina película, parecendo veludo, começa a recobrir o corpo do peixe. Essa doença se alastra muito rapidamente, e é extremamente mortal.
Tratamento: aumentar a temperatura da água até 31° Celsius (não aumentar mais de 2° por dia), colocar sal grosso na água (desde que o aquário não tenha peixes de fundo: limpa-vidros, cascudos e corydoras) e usar parasiticida. Como essa doença parece surgir especialmente quando as condições da água não estão boas, suspender inicilamente a alimentação por 1 ou 2 dias, e diminuir a quantidade de comida. Se possível, voltar a alimentação dos peixes com artêmia viva.

FUNGO

Sintomas: o peixe aparece com alguma região coberta por um algodão branco.
Tratamento: trocar 50% da água do aquário imediatamente, e depois 20% por dia até resolver o problema. Usar fungicida e bactericida na dosagem recomendada. Se não houverem peixes de fundo, usar um pouco de sal grosso (uma colher de chá para cada 20 litros de água). Aumentar uns 3° a temperatura do aquário, 1,5° por dia, até um máximo de 31°.

SUPERABUNDÂNCIA DE SANGUE

Sintomas: muito comum em kyngyos. É típico sintoma de má qualidade da água. Aparecem riscas vermelhas, de sangue, principalmente na nadadeira caudal do peixe.
Tratamento: trocar água sifonando o fundo, diariamente, até resolver o problema. Diminuir a alimentação. Se possível, substituir parcialmente a alimentação por artêmias vivas.

DEGENERAÇÃO DAS NADADEIRAS

Sintomas: apodrecimento dos tecidos das nadadeiras, que se apresentam como que comidas.
Tratamento: troca de água e limpeza do aquário. Sal grosso desde que não haja peixes de fundo. Fungicida e Bactericida na dosagem recomendada no rótulo. Alimentar com artêmias vivas, se possível, por alguns dias.

DACTILOGIRUS

Sintomas: aparecimento de filamentos muitos finos nas brânquias, que acabam se apresentando irritadas (avermelhadas). Podem aparecer fungos na região atacada.
Tratamento: o ideal seria tratar com antibiótico (por exemplo, terramicina) em aquário hospital. No aquário principal, aumentar a oxigenação, e tratar com Fungicida e Bactericida e Parasiticida. Aumentar 2° a temperatura da água, até no máximo 31°. Se possível usar sal grosso, desde que não haja peixes de fundo. Diminuir a alimentação, e se possível alimentar com artêmias vivas.

AEROMONAS

Sintomas: as nadeiras dos peixes vão sendo comidas das pontas em sentido as corpo, pode existir uma borda vermelha, de sangue, na região que está sendo atacada; o corpo do peixe aparece com um anel branco, normalmente ao redor do dorso.
Tratamento: a doença é bastente contagiosa e causada por bactérias do gênero Aeromonas. Como em uma epidemia de gripe, muitos indivíduos são contaminados, mas outros ficam ilesos. Os contaminados em geral acabam morrendo se não forem tratados. Dependendo da variedade da bactéria, a simples aplicação de Bactericida e Fungicida da Atlantis pode conter a doença, mas o garantido mesmo é o emprego de antibiótico, sendo que eu tenho tido ótimos resultados com o Bacter da Labcom em aquário hospital.

Hoje em dia (16/11/99) essa doença tem se manifestado bastante em peixes recém adquiridos e deve ser prontamente diagnosticada e tratada devido ao seu alto grau de mortalidade.

DOENÇAS DE ACARÁS DISCO

Os Acarás Disco são peixes bastante sensíveis a variação da qualidade da água, e a alimentação. Eles são originários da Bacia do Amazonas, e nos paises aonde são criados comercialmente, chegam a trocar diariamente 90 % da água do aquário por dia para satisfazer os discos e manter as condições ideais. Muitas pessoas criam discos em aquários sem cascalho no fundo, para facilitar a manutenção e aumentar a "higiene" no aquário. As condições da água devem ser constantemente checadas e mantidas: pH ácido (de 5,0 a 6,5) e temperatura alta (de 27° até 32°). Os níveis de nitrato também devem ser controlados, e mantidos o mais baixo possíveis.

Duas doenças muito comuns de discos são a Capilaria, e a Hexamita. Em ambas os sintomas se iniciam com a falta de apetite do peixe, até que ele para completamente de comer. A Capilaria é um verme, e a Hexamita um parasita intestinal, se não me engano um protozoário. Do exposto acima, a primeira coisa a ser feita é checar as condições da água. O tratamento é feito normalmente em aquário hospital, com medicamentos comprados em lojas de peixes específicos para essas doenças. É recomendável alimentar com artêmia viva para tentar despertar o apetite dos peixes infectados, para que estes não morram por desnutrição durante o tratamento.


facebook



cartinha